Os Pequenos Jornalistas
Pesquisa

Desculpa... eu não fazia ideia
Por Beatriz Ferreira (Aluna, 9ºB), em 2016/11/15350 leram | 0 comentários | 85 gostam
Num dia chuvoso apeteceu-me desabafar com alguém, por isso escrevi este texto. No final senti-me muito mais aliviada...
A vida é muito complicada! De um momento para o outro perdemos quem mais gostamos… quer seja na nossa vida amorosa, no nosso ciclo de amizades e, o pior de todos, nos nossos familiares!

01-11-2010
Olá, eu sou a Katherine, mas as pessoas tratam-me por Kate (por ser mais fácil e rápido de pronunciar). Tenho 10 anos e uma vida como todas as outras, normal. Já eu, acho que não se pode dizer o mesmo… As pessoas não me acham muito diferente das outras crianças, mas eu sei que não sou igual a toda a gente. Não gosto de brincar, prefiro ler, escrever. Não convivo muito com crianças da minha idade… não por não poder ou por não me deixarem. É mesmo por não querer, porque não sou muito social. Gosto de estar no meu quarto, no meu mundo. Para além disto sou tímida, muito tímida, extremamente tímida, muito mais tímida do que possam pensar!
Pronto… já me conhecem um bocadinho, por isso agora vou falar-vos do propósito de vos estar a escrever. É que eu não consigo entender as pessoas mais velhas, simplesmente não consigo!
Os adultos andam por aí sempre atarefados, a correr de um lado para o outro, preocupados com tudo. Preocupados porque têm de pagar a conta da luz, da internet, da eletricidade, da água… a tempo, o IRS, os impostos. Preocupados com o que vão fazer para o almoço, para o jantar. Preocupados com o trabalho… porque sim, hoje em dia, muita gente traz trabalho para casa! Já os adolescentes são outra raça completamente diferente! Ainda me custa mais entendê-los do que aos adultos… num minuto podem estar bem: risonhos, contentes, aos pulos, com os olhos em coraçõezinhos (se for preciso) e, logo a seguir, já estão mal-humorados, rabugentos, zangados, tristes… a lamentarem-se de tudo e mais alguma coisa! Nunca os conseguirei entender…
Hoje já não me apetece escrever mais… qualquer dia conto-vos novidades.
Beijinhos, Kate.

01-11-2016
Olá, sou eu outra vez… ainda se lembram de mim? Já tenho 16 anos e como devem estar a pensar, sim, já sou adolescente! Não que quisesse lá muito, mas todos temos que passar por coisas que não queremos.
As pessoas dizem que existe uma certa idade para se começar a ser adolescente (os 13 anos!) mas a própria pessoa é que tem de sentir isso… e digo-vos já (caso ainda não estejam nesta faixa etária) que vão perceber que a adolescência chegou, da pior maneira.
Imaginem gostarem mesmo muito de um vosso familiar e, aos poucos, essa pessoa começa a ficar doente… a piorar o seu estado de saúde… Já pensam no pior, mas, lá no fundo, ainda têm esperança de ver aquela luzinha ao fundo do túnel, que se vai afastando e afastando e nunca chega! Isto aconteceu-me! Não estava mesmo nada preparada! Chegou sem avisar, sem tocar à campainha para uma pessoa ter tempo de se vestir e abrir a porta a tempo. Apanhou-me mesmo desprevenida, digo-vos já…. Custou-me muito vê-la partir, uma pessoa que cuidou de mim quando eu era pequenina, quando ainda não sabia os perigos deste mundo, que sempre esteve lá para mim quando eu precisava! Chorei, chorei e ainda choro… ela simplesmente não merecia! Mas assim é a vida… só nos resta seguir em frente e fazer de tudo para fazermos destas pessoas, pessoas orgulhosas de nós!
Para além disto, com se não fosse mau o suficiente, vão ser bombardeados com decisões sobre o vosso futuro, sobre escolhas que têm de fazer… se dizem sim ou se dizem não! Tecnicamente, ainda sou criança, porque eu sinto que estou neste “novo mundo” apenas por obrigação. A escola está muito mais difícil e cada vez nos pressionam mais para termos boas notas, para sermos alunos exemplares e cidadãos modelos no nosso futuro. Como é que podem obrigar uma “criança” a escolher o curso que quer seguir? Como é que as pessoas esperam que nós tomemos decisões que influenciarão por completo o nosso destino!? Digo-vos: é impossível…, mas terão de escolher porque faz parte do nosso percurso académico.
Outra coisa que perceberão é que nem todos os amigos são mesmo nossos amigos. A partir de uma certa idade vão perceber com que verdadeiros amigos podem contar. Vão perdendo uns… ganhando outros…, mas não se preocupem! Ao ganharem novos, esqueçam tudo que os antigos vos fizeram e andem sempre, sempre, de cabeça erguida! Nada melhor que derrotar com sorrisos pessoas que já vos puseram em lágrimas!
Para além destes temas, vão-se deparar com muitos mais, completamente diferentes, esquisitos e sem lógica nenhuma! Mas aquele que afeta toda a gente é o amor! Podem estar a pensar que o amor é a coisa mais linda que pode haver… é o motivo pelo qual nos levantamos de manhã da cama… e não estão enganados, a sério que não! Mas esperem até serem rejeitadas, ignoradas, esquecidas por amor! Até chegarem ao ponto de não conseguirem confiar em mais ninguém porque têm medo de serem ainda mais rejeitadas, mais ignoradas e mais esquecidas…
As pessoas são capazes de cometer as maiores loucuras quanto estão apaixonadas, querem ver como? Leiam esta carta que uma pessoa mandou a outra, e depois digam-me alguma coisa:
“Por favor abre... lê!
Sabes que sempre foste muito especial para mim...
Isto começou de repente, mas a partir daí eu tinha que falar contigo todos os dias pois sem ti o meu dia não estava completo. Contigo nunca me senti só porque tu apoiavas-me em tudo que eu precisava, fazias-me rir quando estava mais triste e, mesmo quando não precisava, tu alegravas-me o dia!! De um momento para o outro fomo-nos afastando e eu continuo a não perceber o porquê... Tu foste a única pessoa que me disseste que não me ias abandonar, que ias estar sempre aqui para o que eu precisasse..., mas também me abandonaste como os outros fizeram... e eu não te censuro por isso porque se te afastaste é porque eu fiz alguma coisa, mas eu só queria saber o que foi para poder corrigir...! Custou-me ver de dia pra dia que íamos falando menos, fizeste-me falta, sabias!? Havia tanta coisa que eu estava a passar e precisava de te contar, mas não ganhava coragem para te chamar porque achava que me ias ignorar....
Eu nunca fui muito de me expressar pessoalmente... sou mais daquelas pessoas que se expressam melhor ao escrever. Mas, se quiseres, nós podemos falar pessoalmente!! Eu faço tudo para que voltemos ao que éramos.
Agora eu só sei de ti por segundos ou terceiros e antes era a primeira a saber o que se passava contigo e tu comigo.
Só te estou a escrever isto porque acho que ainda vale a pena... que não é preciso desistir... porque tu fizeste-me muito bem, apesar de dizeres que eras uma má influência!
Quando comecei a escrever isto começou a doer-me o coração... Não faço ideia porquê, mas eu não desisti e estou aqui a escrever, porque quero que saibas como eu me sinto... e, se possível, eu saber o que se passa também contigo.
Tu para mim não eras um amigo qualquer.... eras aquele amigo em quem eu podia confiar num piscar de olhos... eras o meu MELHOR AMIGO...! “
Ahh, quase que me esquecia! Também chegará uma altura em que só nos interrogamos: será que faço falta a alguém? Se desaparecesse, alguém notaria? E também há a parte em que nos olhamos ao espelho e desatamos a chorar porque pensamos que não somos suficientemente bons para aquele especial! Tudo isto é muito difícil no momento, muito mesmo, mas eu acredito que se mantivermos a esperança tudo melhora!
Afinal a esperança é a ultima a morrer, não é!?
Só hoje já vos falei para toda a vida… não, estou a brincar. Foi bom ter partilhado isto! Como dizem: quando estamos triste e escrevemos, metade da nossa dor passa para o papel. Não é bem assim, claro, mas até nos alivia.
Desculpem a minha ignorância em pequena, não sabia o quão difícil era ser adolescente (porque ainda não era uma). Agora já sei… e se querem saber, preferia não ser, pelas imensas razões que vos disse em cima… Mas a vida é mesmo assim… “cabeça erguida e bola para a frente”.
Qualquer dia dou-vos notícias minhas… quando já for adulta e tiver uma perceção diferente do mundo… Para já, vou tentar divertir-me com aqueles de que gosto e que gostam de mim.

Beijinhos, Kate
PS.: Love; Never give up; Don’t stop dreaming and… BE HAPPY!


Comentários

Escreva o seu Comentário